Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente

Postagens

Mortalidade Materna

28 maio 2018

Como contribuição à 1ª Semana de Mobilização pela Saúde das Mulheres o Portal de Boas Práticas do IFF/Fiocruz apresenta material sobre Mortalidade Materna, com o objetivo de expor suas causas e indicar ações necessárias para a sua redução.

A ocorrência de um óbito materno deve causar indignação nos profissionais de saúde e na sociedade. Todo óbito materno deve ser investigado pelos profissionais de maternidades, de unidades básicas e analisados pelos Comitês Municipais e Estaduais de Prevenção da Mortalidade Materna.

“A redução da mortalidade materna permanece um grande desafio da saúde, da ética e da equidade social, de gênero e raça. É necessário ampliarmos o número de profissionais que se dispõem a enfrentar este desafio!”

Conteúdo Relacionado

Referências citadas

  • Black RE, Laxminarayan R, Temmerman M, et al., editors. Reproductive Maternal Newborn and Child Health 2016 Disease Control Priorities 2016 3rd edition Washington (DC): The International Bank for Reconstruction and Development / The World Bank; 2016 Apr 5.
  • Brasil. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância do Óbito materno .Normas e Manuais Técnicos Tiragem: 1.ª edição – 2009 – Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Análise de Situação em Saúde. Coordenação-Geral de Informações e Análises Epidemiológicas.
  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Saúde Brasil 2013 : uma análise da situação de saúde e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014.
  • Brasil. Ministério da Saúde. Protocolos da Atenção Básica : Saúde das Mulheres / Ministério da Saúde, Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa – Brasília : Ministério da Saúde, 2016.
  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2012.
  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.Gestação de alto risco: manual técnico / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 5. ed. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2012.
  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2017
  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de atençao a gestante :operaçao cesariana Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2016
  • Domingues RMSM, Viellas EF, Dias MAB, Torres JA, Theme-Filha MM, Gama SGN, et al. Adequação da assistência pré-natal segundo as características maternas no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2015;37(3):140–7.
  • Juliana Teixeira Nunes, Keila Rejane Oliveira Gomes, Malvina Thaís Pacheco Rodrigues, Márcio Denis Medeiros Mascarenhas. Qualidade da assistência pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015 Cad. Saúde Colet., 2016, Rio de Janeiro, 24 (2): 252-261.
  • LAURENTI, Ruy; JORGE, Maria Helena Prado de Mello and GOTLIEB, Sabina Léa Davidson. A mortalidade materna nas capitais brasileiras: algumas características e estimativa de um fator de ajuste.Rev. bras. epidemiol. 2004, vol.7, n.4
  • Leal Maria do Carmo et al . Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2014 [cited 2018 May 23] ; 30( Suppl 1 ): S17-S32.
  • Lewis, G. (2008). Maternal mortality in the developing world: why do mothers really die? Obstetric Medicine, 1(1), 2–6.
  • Morse Marcia Lait, Fonseca Sandra Costa, Barbosa Mariane Doelinger, Calil Manuele Bonatto, Eyer Fernanda Pinella Carvalhal. Mortalidade materna no Brasil: o que mostra a produção científica nos últimos 30 anos?. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2011 Apr [cited 2018 May 22] ; 27( 4 ): 623-638.
  • Szwarcwald Celia Landmann, Escalante Juan José Cortez, Rabello Neto Dácio de Lyra, Souza Junior Paulo Roberto Borges de, Victora César Gomes. Estimação da razão de mortalidade materna no Brasil, 2008-2011. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2014 [cited 2018 May 22] ; 30( Suppl 1 ): S71-S83.
  • Vettore, Marcelo Vianna, Dias, Marcos, Domingues, Rosa Maria Soares Madeira, Vettore, Mario Vianna, & Leal, Maria do Carmo. (2011). Cuidados pré-natais e avaliação do manejo da hipertensão arterial em gestantes do SUS no Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 27(5), 1021-1034.
  • VICTORA, C. G. et al. Saúde de mães e crianças no Brasil: progressos e desafios. The Lancet, London, p. 32-46, maio 2011. (Saúde no Brasil, 2)
  • Trends in maternal mortality: 1990 to 2015. Estimates by WHO, UNICEF, UNFPA, World Bank Group and the United Nations Population Division.

 

Tags: aborto, apice on, desigualdades, qualineo, Rede Cegonha, Semana Nacional de Mobilização pela Saúde das Mulheres no SUS