Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente

Biblioteca

A Construção da Subjetividade Infantil a Partir da Vivência com o Adoecimento: a Questão do Estigma

Tipo de Mídia: Documento .PDF DownloadVisualizar

Moreira Martha Cristina Nunes, Macedo Aline Duque de. A construção da subjetividade infantil a partir da vivência com o adoecimento: a questão do estigma. Arq. bras. psicol. [Internet]. 2003 Jun [citado 2020 Jun 15] ; 55(1): 31-41.

O presente artigo discute a construção da subjetividade infantil, em situações de vivência com o adoecimento crônico e o estigma. Priorizamos a expressão lúdica como o mecanismo por excelência desse processo, que propicia, pela ludicidade, a elaboração do estigma por parte da criança. Utilizamos o estudo de caso como a estratégia metodológica para iluminar as conseqüências do estigma – entendido como o conjunto de marcas associadas à mieloemeningocele na vida de 5 crianças na faixa etária de 7 a 8 anos, que freqüentam e se tratam no Instituto Fernandes Figueira desde o seu nascimento. Além do trabalho direto com as crianças, entrevistamos suas respectivas mães a fim de recuperar e registrar as suas histórias com seus filhos, tendo como marcos cronológicos: a notícia da gravidez, o pré-natal, os exames diagnósticos e a constatação da anomalia em seus filhos, o nascimento e suas redes de sociabilidade, priorizando os contatos na família, na escola e no hospital. Como conclusão, apontamos que a ação técnica mediada pelo brincar na área de saúde da criança serve como potente instrumento para a construção de uma clínica ampliada – clínica essa que tem como qualificativo central o vínculo de confiança, estabelecido no encontro entre pessoas, e que vai possibilitar relações de convívio, e de troca social que transcendem o modelo reducionista de saúde.

Disponível Em: <http://pepsic.bvsalud.org/>